Dermacentro - Tratamentos

Peelings Químicos Clareadores

O peeling químico é uma técnica usada para melhorar a aparência da pele. É realizado pela aplicação de substancias químicas ácidas sobre a pele com o objetivo de remover as células de suas camadas mais externas e estimular a sua renovação. Esta solução química leva a degeneração da camada córnea, levando a sua separação, descamação e o posterior surgimento de uma nova pele mais lisa, uniforme e vitalizada que a pele antiga.

Os peelings podem ser superficiais, médios e profundos dependendo da substância utilizada. Como regra, quanto mais profundo for o peeling, maior será o tempo de recuperação e melhores e mais significativos os resultados.

 

Quais são as indicações do peeling químico?

O peeling químico pode ser usado para uniformizar a pele; revitalizar a pele devolvendo o brilho, afinar a sua espessura e melhorar a textura; tratar a pigmentação como manchas causadas pelo sol; sardas; melasmas; manchas de fundo hormonal como as provocadas pela pílula anti-concepcional; acne ativa, cicatrizes leves e rugas finas, uma vez que dada à renovação da pele há estímulo para a formação de colágeno.Áreas como lesões descamativas causadas pelo sol (queratoses solares) bem como lesões pré cancerosas também melhoram após este peeling.

 

Em que regiões pode ser feito peeling químico?

Face, pescoço, peito, mãos e pernas podem receber o peeling químico que pode ser superficial, médio ou profundo dependendo da substancia utilizada, do estado da pele e do que se deseja tratar. Seu dermatologista recomendará o tipo de peeling ideal para cada caso.

 

Que substancias podem ser usadas para um peeling químico?

 

Soluções químicas como ácido glicólico, ácido retinóico, ácido tricloroacético, ácido salicílico, ácido láctico , ácido carbólico (fenol), solução de Jessner, entre outras são utilizadas.A cada sessão pode ser usada uma ou mais substancias.Também pode haver conjugação de técnicas como, por exemplo, um peeling com ácido tricloroacético seguido de dermoabrasão. Desta maneira, podemos potencializar os resultados sem aumentar os riscos de efeitos indesejados.

 

Como é feita a preparação para um peeling químico?

 

Antes do tratamento, é necessário interromper o uso de certos medicamentos que possam vir a inibir a cicatrização. Também é necessária a preparação da pele com cremes específicos. O paciente deve estar completamente adaptado ao uso de filtros e bloqueadores solares que são imprescindíveis após o procedimento e diminuem as chances do reaparecimento das lesões tratadas.

 

O que se deve esperar durante o tratamento?

 

Os peelings químicos são realizados normalmente na clínica dermatológica. A pele é limpa com um agente desengordurante. Os olhos e os cabelos são protegidos A seguir, realiza-se a aplicação da substancia química em todas as áreas tratadas. Seu dermatologista sugerirá qual o mais apropriado para você dependendo do que se quer tratar, do tipo de pele e do resultado desejado. A maioria dos pacientes sente uma sensação de aquecimento na pele que pode durar de cinco a dez minutos. Esta sensação pode ser seguida por ardência. Os peelings mais profundos podem ser doloridos portanto, necessitam de analgésicos durante e após o procedimento.

 

O que se deve esperar após o tratamento?

 

Dependendo do tipo de peeling, o paciente pode sentir um leve ou severo ardor na pele, como se estivesse queimado de sol. As descamações superficiais normalmente ocasionam vermelhidão, que podem durar de três a cinco dias.As descamações médias ou profundas podem, algumas vezes, provocar inchaço e bolhas que, se romperem, formarão cascas, ficarão castanhas e descascarão no mínimo entre 7 e 14 dias. Talvez algumas descamações necessitem de curativo cirúrgico na área ou em toda a pele submetida ao peeling. 

É importante evitar, imediatamente após o peeling químico, exposição demasiada ao sol, já que a nova pele é frágil e muito mais suscetível a ser danificada. Seu dermatologista lhe indicará os cuidados apropriados para que a pele sare logo.

 
 
Quais são as possíveis complicações?

Dependendo do grau de profundidade, em certos tipos de pele existe o risco de se desenvolver uma mudança de cor temporária ou permanente. Peelings mais profundos geralmente resultam em vermelhidão que pode persistir durante meses. Estes quadros sempre são seguidos por uma fase temporária de hiperpigmentação. Esta regredirá em algumas semanas desde que sejam tratadas corretamente e que seja mantido o afastamento do sol. Apesar de mais raras, as manchas mais claras são mais persistentes e voltam a repigmentar após meses.

Embora seja raríssimo, existe o risco de formação uma cicatriz após as descamações químicas. Se esta ocorrer, pode ser tratada com bons resultados.
Em peelings médios e profundos há certa incidência de reativação de infecção por herpes simples, o que torna a cicatrização mais difícil. Nestes casos é necessário tratamento prévio com medicações antivirais.
É muito importante que o antes do primeiro peeling o paciente informe ao dermatologista qualquer caso familiares de quelóide, tendência a cicatrizes inestéticas, radioterapia prévia, casos de infecção recorrente na face ou histórico de herpes labial, para que o médico possa tomar todas as precauções necessárias.

 

 

Quais são as limitações do peeling químico?

O peeling químico não remove a pele flácida, já que não pode eliminar as forças gravitacionais que a produzem; nem pode eliminar as cicatrizes, embora as superficialize.





Consultas e Atendimento:
Av. dos Imarés, 804 - Moema
Tel.: 11 5533 6888

Design AC7StudioDesign e Programação DOAcomm
©2010/2018 - Dermacentro - Medicina Especializada - Todos os direitos reservados
Diretora Técnica: Eidi Motta Cardoso - CRM 74468 | Dermacentro - CRM 9211