Peeling Fenol

O peeling fenol é o peeling capaz de promover resultados exuberantes e um rejuvenescimento facial intenso de uma só vez, sem necessidade de qualquer corte ou cirurgia, em um procedimento com duração de cerca de 2h . Não obstante, deve ser muito bem indicado e executado apenas por dermatologistas bastante treinados e familiarizados com a técnica, devido às dificuldades apresentadas antes, durante e após o tratamento.
 

Como funciona?

O fenol é um ácido derivado do coaltar e produz a coagulação das proteínas da pele. É considerado um agente químico que quando aplicado à pele induz a uma queimadura controlada, que ao longo do tempo resulta no rejuvenescimento da pele e redefinição do colágeno cujos resultados são de longa duração.
 

Como é o Tratamento?

O fenol é tóxico para todas as células, penetra e permeia a pele, sendo absorvido, metabolizado no fígado e excretado pela urina 15 a 20 minutos após sua aplicação.

Concentrações elevadas no sangue podem ter efeito tóxico no coração, provocando taquicardia ou outras possíveis complicações. Por isso, ao utilizar o peeling de fenol, aplica-se o produto em pequenas regiões com intervalo de tempo antes de aplicá-lo na seguinte, de modo que a concentração absorvida possa ser eliminada pela urina, sem causar problemas.

Para facilitar sua excreção e minimizar complicações sistêmicas, os pacientes devem realizar este procedimento em ambiente adequado, sempre com hidratação endovenosa e monitorização cardíaca. Por ter sua ação na profundidade da pele é muito doloroso.

Deve ser realizado com sedação e posteriormente manter o uso de analgésicos. Mesmo com tais precauções, devemos selecionar bem os pacientes para este tipo de procedimento, evitando pacientes com problemas cardíacos, renais e hepáticos que tenham feito uso recente de isotretinoína, pela dificuldade na cicatrização; instabilidade psicológica e que tenham predisposição a formação de quelóides.
 

Quais as Recomendações após o Tratamento?

• Imediatamente após o tratamento, ocorre intenso edema e exsudação com sensação de latejamento e ardor nas primeiras horas, sendo necessário o uso de analgésicos.
 
• O paciente pode manter uma máscara de esparadrapo impermeável até o segundo dia, quando deve ser retirada pelo médico. A pele pode permanecer sem curativo, utilizando apenas pomada vaselinada ou utilizar curativos próprios à base de silicone.
 
• Bolsas de gelo sobre a máscara/ curativo ajudam a aliviar a dor existente.
 
• Na primeira semana é preciso manter dieta líquida.
 
• São recomendados o uso de antibióticos, antivirais e antifúngicos para evitar infecções oportunistas.e um creme ou pomada vaselinada para hidratar a pele.
 
• A regeneração da pele inicia-se 48 horas após a aplicação, com formação de crostas
 
• Após sete a dez dias, as crostas serão eliminadas espontaneamente provocando descamação. É importantíssimo que as crostas não sejam retiradas antecipadamente para evitar possíveis complicações. Esta fase persistirá até o décimo quinto dia, aproximadamente.
 
• Nesta fase, o ideal é que se utilize exclusivamente uma pomada com antibiótico.
 
• Não se pode limpar e esfoliar a pele vigorosamente a pele para acelerar a troca da crosta pela nova epiderme.
 
• Após a descamação se completar, surge uma camada de pele fina e sensível, que se mantém avermelhada por até quatro meses.
 
• A partir da segunda semana do pós-peeling, pode-se usar maquilagem hipoalergenica. Procedimentos de apoio (realização de máscara calmante ou fototerapia por LED) podem ser repetidos nos primeiros dias após o procedimento uma vez que estimulam a cicatrização e promovem conforto.
 
• A partir do final da sexta semana, é recomendada a aplicação de hidratante suave, sabonete neutro e bloqueador .
 
• A exposição ao sol deve ser realizada com extremo cuidado no dia a dia e é necessário o uso constante de protetor solar, pois essa nova pele recuperada e ainda em cicatrização é mais sensível e passível de manchar.
 
• Reiniciar o uso dos cremes de rotina a critério do seu Dermatologista.
 
• O paciente deve se abster de sol por 6 meses após a aplicação. Nunca esquecer o filtro solar.
 
• Os resultados surgem gradualmente, à medida que o colágeno se reorganiza, sendo esperadas melhoras até o sexto mes após a última sessão.
 
• Manter o uso contínuo de filtro solar de amplo espectro.

 

Complicações pós-procedimento:

- Alterações de hiperpigmentação que podem ocorrer devido ao processo inflamatório;
- Hipopigmentação cutanea permanente;
- Aparecimento de infecção causada principalmente por microorganismos comuns à pele;
- Surgimento de cicatrizes profundas são mais comuns em regiões como lábios, pálpebras e mandíbula, formação de pequenos cistos brancos, ou milia, devido à rápida reepitelização da pele.




Consultas e Atendimento:
Av. dos Imarés, 804 - Moema
Tel.: 11 5533 6888

Design AC7StudioDesign e Programação DOAcomm
©2010/2018 - Dermacentro - Medicina Especializada - Todos os direitos reservados
Diretora Técnica: Eidi Motta Cardoso - CRM 74468 | Dermacentro - CRM 9211